domingo, 24 de agosto de 2014

Pasta!Pasta!

Já cá faltava um post com uma receitinha.  Não é só a cronologia deste blog que anda pelas ruas da amargura, a linha editorial está totalmente à deriva. Mas talvez seja mesmo essa a linha, ou a falta dela. Enfim, andava a tentar organizar ficheiros e dei com estas fotos. A receita não tem nada de especial, nada que não apareça em milhões de livros e triliões de blogs. O pormenor das folhas prensadas nas placas de massa é a única coisa notável ( copiada daqui, mas sem a mestria da Sandra Mangas)
Notável também foi o facto de o ter feito numa 6ª feira, depois de um dia complicado de trabalho. Cozinhar descontrai-me mas dar de jantar a duas crianças famintas, quase às 10h da noite, é tudo menos relaxante.


As folhas de salsa são prensadas entre duas placas. fazem efeito mas sabor nem por isso. Mas os olhos também comem.

os armários da cozinha afinal são multitask

foi servida assim simples com nozes e parmesão ralado na hora e uns rebentos de agrião

Tive ajuda na massa de espinafres
raviolis com espinafres, ricota e nozes

ninhos aldrabados. Já estava tão farta de massa...
A receita:
1 ovo por cada 100 gr de farinha.Para fazer a massa de espinafre usei cerca de 2 colheres de sopa de espinafres  cozidos e bem escorridos por cada 100 gr de farinha.
O segredo é bater a massa muito, muito bem. Usar uma farinha forte tipo 65. E bater, bater muito. Só assim o glúten ganha a elasticidade característica deste tipo de massas. 

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Parabéns Papá

Nasceu quando a Europa se preparava para mais uma Grande Guerra, no ano em que Roosevelt, do outro lado do oceano, lançava o New Deal. Não havia televisão e as viagens de avião eram feitos que davam nas notícias, que se viam no cinema. 81 anos de vida, mais de metade a ser o meu querido pai, mais de uma década a ser um avô extraordinário e sempre presente. Só espero ter herdado os seus genes e a sua inesgotável vitalidade.


terça-feira, 12 de agosto de 2014

E foi isto. O Porto e o Douro, foi só um cheirinho. Tão bom.

Os cruzeiros do Douro, uma excelente maneira de conhecer a região e o vinho. Assim como assim, não precisamos conduzir...
A Ribeira do lado da Foz. Rios e mares assentam sempre bem a uma cidade
Era um dos poucos restaurantes abertos num domingo à noite. O trabalho de segunda-feira não convida a esticar a noite de domingo. É assim no Norte.
Mas foi uma boa escolha. Bom ambiente, boas vistas e boa comida
Na Ribeira não faltam Tvs
A Serra do Pilar,a banda sonora que acompanha é o Porto sentido, claro
Comer num túnel com vista para o Douro
para esta vista

As caves ficam para a próxima...
De comboio se chega à Régua
e logo ali na estação podemos matar saudades dos sabores do Norte. O indispensável polvo
e a posta de vitela, divina.
para acabar no pudim de castanha ( fora de época ou seria um preview) e gelado de maçã verde
da garrafeira nem falo
foi aqui
cruzeiros não faltam. os "oscarizados" Douro Azul e os outros



uma ideia para copiar, mas já sabemos que isso não vai acontecer.
Água, muita água
vinho, muito vinho




Um portão do paraíso
o comboio numa das mais belas linhas do mundo. Mas esse é um segredo só conhecido por ingleses e afins.



segunda-feira, 4 de agosto de 2014

E os anos?


Bons!, muito bons
Bolo surpresa
E boas vistas, e bons vinhos. Tudo bom.
Reportagem a seguir, ou talvez no ano que vem. As actualizações por aqui andam bem atrasadas.